Rádio no Brasil

Sob o aspecto técnico, as emissoras de radiodifusão sonora (emissoras de rádio) e as de radiodifusão de sons e imagens (emissoras de televisão) podem ser classificadas especialmente quanto à potência dos seus transmissores e à faixa de frequências na qual foram autorizadas a operar. Quanto às frequências utilizadas pela radiodifusão, o quadro 7.1, a seguir, as resume de forma simplificada.

Quadro 7.1 – Serviço de radiodifusão e frequência atribuída

 

Onda média

525 kHz a 1705 kHz

Onda tropical (120 metros)

2300 kHz a 2495 kHz

Onda tropical faixa alta

3200 kHz a 5060 kHz

Onda curta

5950 kHz a 26100 kHz

Frequência modulada, incluindo RadCom

87,5 MHz a 108,0 MHz

Televisão VHF baixo

Canais 2 a 6 (54MHz a 88MHz)

Televisão VHF alto

Canais 7 a 13 (174MHz a 216 MHz)

Televisão UHF

Canais 14 a 69 (470 MHz a 806 MHz)

Sarc para rádio

Ver Resolução nº 82 da Anatel

Sarc para TV

Ver Resolução nº 82 da Anatel

7.1 Geradoras e retransmissoras de televisão (radiodifusão de sons e imagens)

As geradoras e retransmissoras de televisão (radiodifusão de sons e imagens), cujo regulamento técnico foi aprovado pela Resolução nº 284, de 7 de dezembro de 2001, da Anatel (item 3.3.1), são classificadas em função de seus requisitos máximos (quadro 7.2).

Quadro 7.2 – Geradoras e retransmissoras de televisão

Classes

Canal

Potência máxima (quilowatts)

Distância máxima ao contorno protegido (km)

TV

RTV

Especial

 

2-6

100

63

7-13

316

66

UHF

1600

53

A

A

2-6

10,0

42

7-13

31,6

46

UHF

160,0

40

B

B

2-6

1,00

25

7-13

3,16

28

UHF

16,00

26

C

C

2-6

0,100

14

7-13

0,316

16

UHF

1,600

14

Nota: contorno protegido é o contorno da área em que o sinal da estação tem o direito de não receber interferências

7.2 Radiodifusão sonora – emissoras de rádio

7.2.1 Rádios AM (modulação em amplitude)

As rádios de amplitude modulada (AM), onda média e onda tropical de 120 metros tiveram seu regulamento técnico aprovado pela Resolução nº 116, de 25 de março de 1999, da Anatel (item 3.3.1). Este tipo de emissora de rádio também está dividido em três classes, que são distintas entre si quanto à cobertura, principalmente.

$1·                    Classe A – É a estação destinada a prover cobertura às áreas de serviço primária e secundária, estando protegida contra interferência objetável nestas áreas. Seu campo característico mínimo é de 310 milivolts por metro e suas potências máximas são de 100 quilowatts (diurna) e de 50 quilowatts (noturna).

$1·                    Classe B – É a estação destinada a prover cobertura das zonas urbanas, suburbanas e rurais de um ou mais centros populacionais contíguos contidos em sua área de serviço primária, estando protegida contra interferências objetáveis nesta área. Seu campo característico mínimo é de 295 milivolts por metro e sua potência máxima diurna e noturna é de 50 quilowatts. Poderá ser autorizada potência diurna até 100 kW para emissoras de classe B outorgadas para executar o serviço em capitais dos estados e municípios pertencentes a regiões metropolitanas dessas capitais, mediante justificativa de natureza técnica.

$1·                    Classe C – É a estação destinada a prover cobertura local das zonas urbana e suburbana de um centro populacional contidas em sua área de serviço primária, estando protegida contra interferências objetáveis nesta área. Seu campo característico mínimo é de 280 mV/m. Quando tais estações estão instaladas na zona de ruído 1, sua potência máxima diurna e noturna é de 1 quilowatt. Quando instaladas na zona de ruído 2, sua potência máxima diurna é de 5 quilowatts e a noturna de 1 quilowatt.

Vale dizer que as estações de onda tropical na faixa de 120 metros enquadram-se exclusivamente na classe C. As estações de ondas curtas e de ondas tropicais nas faixas de 90 e 60 metros não são divididas em classes. Suas coberturas são função das faixas de frequência em que operam. As frequências operadas pelas rádios de amplitude modelada estão resumidas no quadro 7.3.

Em relação às faixas de onda tropical, vale lembrar ao leitor que estas só podem ser usadas por estações instaladas entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio, com algumas exceções estabelecidas pela União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Quadro 7.3 – Rádios de amplitude modulada e frequência de operação

Rádios

Frequências

Onda média (OM)

525 a 1.605 KHz

1.605 a 1.705 KHz

Onda tropical (OT)

2.300 a 2.495 kHz (faixa de 120 metros)

3.200 a 3.400 kHz (faixa de 90 metros)

4.750 a 4.995 kHz (faixa de 60 metros)

5.005 a 5.060 kHz (faixa de 60metros)

Onda curta (OC)

5.950 a 6.200 kHz (faixa de 49 metros)

9.500 a 9.775 kHz (faixa de 31 metros)

11.700 a 11.975 kHz (faixa de 25 metros)

15.100 a 15.450 kHz (faixa de 19 metros)

17.700 a 17.900 kHz (faixa de 16 metros)

21.450 a 21.750 kHz (faixa de 13 metros)

25.600 a 26.100 kHz (faixa de 11 metros)

Entretanto, naquilo que diz respeito à potência irradiada destas emissoras de rádio, o quadro 7.4 as classifica nas classes A, B e C.

Quadro 7.4 – Classificação das emissoras de ondas médias e ondas tropicais de 120m

 

Potência máxima

Campo característico mínimo

Diurna

Noturna

Classe A

100 kW

50 kW

310 mV/m

Classe B (médias e grandes)

50 kW

50 kW

295 mV/m

Classe C (pequena)

1 KW*

1 kW

280 mV/m

Nota: campo característico é o valor da intensidade do sinal da estação medido a 1km de distância da antena.

7.2.2 Rádios de frequência modulada (FM)

As rádios de frequência modulada ou, como são mais conhecidas, as FMs estão divididas quanto à sua categoria, todas em função da potência irradiada e da altura da antena, inclusive as chamadas rádios comunitárias, conforme demonstra o quadro 7.5, a seguir. Os canais 198 (87,5 MHz), 199 (87,7 MHz) e 200 (87,9 MHz) foram atribuídos para uso exclusivo e em caráter secundário das estações do Serviço de Radiodifusão Comunitária em nível nacional. O canal 285 é utilizado também em casos excepcionais de impossibilidade dos demais. É importante esclarecer que uma estação que opera em caráter secundário não tem direito à proteção contra interferências. A potência das rádios comunitárias, limitada a 25W, está estabelecida no parágrafo 1º do artigo 1º da Lei nº 9.612/1998 (veja o quadro 7.5).

Quadro 7.5 – Categorias de rádios FM, classes e áreas de cobertura

Categorias

Classes

Áreas de cobertura

Comunitária

Até 25W

Até 1km

Local (pequena e média)

C e B

Até 16km

Regional (especial)

A

Até 40km

Regional

E

Até 78km

As rádios FM estão alocadas em 103 canais, com portadoras separadas de 200kHz. Cada canal é identificado por sua frequência central. A cada canal é atribuído um número de 198 (87,5MHz) a 300 (107,9MHz).

As emissoras de FM são classificadas em função de seus requisitos máximos (quadro 7.6), cujo regulamento técnico foi aprovado pela Resolução nº 67, de 12 de novembro de 1998, da Anatel (item 3.3.1).

Quadro 7.6 – Classificação de rádios FM

Classes

Potências (ERP) em KW

Distância máxima ao contorno protegido (km)

Altura máxima da antena (m)

E1

100

78,0

600

E2

75

66,0

450

E3

60

54,0

300

A1

50

40,0

150

A2

30

36,0

150

A3

15

31,0

150

A4

5

24,0

150

B1

3

16,0

90

B2

1

12,0

90

C

0,3

7,0

60

 

 

 

 

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando...
Top
Open chat
%d blogueiros gostam disto: